Europa critica lei de segurança da China em Hong Kong

Por Redação em 01/07/2020 às 08:23:07

A imposição das novas leis de segurança nacional em Hong Kong desencadeou uma forte repercussão contra a China na Europa.O governo de Pequim aprovou na terça-feira (30) a polêmica legislação que tem como objetivo controlar os protestos em série que a região registra há um ano.As novas leis criminalizam a secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras com penas que chegam a prisão perpétua.Apesar disso, protestos já ocorreram nesta quarta (1º) contra a legislação e a polícia efetuou prisões que podem ser enquadradas na reforma feita pela China.

A intervenção sem precedentes em Hong Kong, que foi devolvida pelos britânicos para a China 23 anos atrás, está sendo fortemente criticada. Lideranças europeias consideraram o gesto chinês como deplorável porque terá fortes consequências no estilo de vida da cidade, que é um importante hub financeiro internacional.Ursula von der Leyen, presidente da comissão europeia, disse que o bloco está discutindo com parceiros internacionais sobre possíveis medidas em resposta.

O governo conservador de Londres, por sua vez, reafirmou o compromisso de distribuir vistos de residência britânicos para os moradores de Hong Kong que quiserem deixar a região administrativa especial.No mês passado, Boris Johnson prometeu conceder a autorização para cerca de três milhões de cidadãos de Hong Kong.O gesto é uma dura ameaça para a China que tenta enquadrar a cidade autônoma, mas ao mesmo tempo precisa que ela se mantenha operacional por conta de seus laços financeiros com o Ocidente e a Ásia.Alguns líderes europeus falam inclusive em preparar sanções como forma de retaliação ao governo de Pequim.

Os Estados Unidos, que sob a administração Trump intensificaram o antagonismo com a China, também pressionam a Europa para responder.A tensão internacional ocorre no momento em que a segunda maior economia do mundo ocupa os espaços deixados pelos norte-americanos em mecanismos internacionais e em setores como tecnologia, economia e diplomacia.Apesar dos esforços de Pequim, as reiteradas tentativas de intervenção política em Hong Kong podem acabar freando o projeto chinês de se posicionar como novo líder global.

Portal de cara nova
Anuncie aqui