Barbosinha lamenta descaso e abandono da saúde indígena de Dourados em debate na ALEMS

Por Redação em 05/05/2021 às 14:28:15

(Foto: Assessoria)

A situa√ß√£o de abandono da saúde indígena de Dourados foi tema de pronunciamento do deputado Barbosinha (DEM-MS) durante a sess√£o desta quarta-feira (5). O parlamentar disse que representantes das comunidades indígenas Guarani, Kaiow√° e Terena, atendidos pelo Polo Base de Saúde Indígena de Dourados, fazem, pelo segundo dia consecutivo, a ocupa√ß√£o no Distrito Sanit√°rio Especial Indígena (Dsei) de forma pacífica e ordeira para denunciar v√°rias situa√ß√Ķes de total desamparo à comunidade.

O parlamentar lamentou a situa√ß√£o enfrentada pelos mais de 17 mil indígenas que vivem hoje na maior reserva do Mato Grosso do Sul e uma das maiores aldeias urbanas do Brasil.

Barbosinha lembrou que a situa√ß√£o vivida pelos índios é de total abandono e que o sucateamento da reserva est√° diretamente relacionado à falta de planejamento, organiza√ß√£o e gest√£o por parte da chefia local da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e da Funai (Funda√ß√£o Nacional do Índio).

Com a chegada da pandemia do coronavírus à reserva os indígenas viram a situa√ß√£o se agravar ainda mais nos últimos 12 meses, segundo documento recebido pelo deputado dos representantes do Movimento Indígena que est√° ocupando o Polo Base de Dourados, datado de 4 de maio de 2021.

"Os povos indígenas t√™m convivido com demiss√Ķes de funcion√°rios que tinham fun√ß√Ķes estratégicas nas articula√ß√Ķes e execu√ß√£o das a√ß√Ķes dentro das comunidades. Tem faltado medicamentos b√°sicos para os principais problemas de saúde e até mesmo medicamentos de uso continuo de press√£o alta e diabetes para centenas de pacientes cadastrado nos programas de aten√ß√£o b√°sica dentro da reserva. As unidades de saúde continuam em péssimo estado de conserva√ß√£o, as estruturas s√£o prec√°rias e insalubres, com ilumina√ß√£o péssima e sem ventila√ß√£o adequada" descreveu o deputado.

No local, os indígenas ainda convivem com a falta de logística para o deslocamento das equipes até às aldeias, bem como, falta de insumos e Equipamentos de Prote√ß√£o Individuais para os profissionais de saúde atenderem adequadamente a popula√ß√£o indígena.

Barbosinha chamou a aten√ß√£o das autoridades locais, estaduais, nacionais e da mídia alertando que no m√™s de junho de 2017 foi noticiado na imprensa local e no site da Prefeitura de Dourados uma reportagem com o seguinte tema: "Brasil Sorridente" presente nas aldeias de Dourados – que mostrava a entrega de tr√™s unidades móveis odontológica e material médico-hospitalar para atendimento nas aldeias de Dourados.

"Hoje a realidade desses irm√£os indígenas é bem diferente. O documento que recebemos mostra que esses veículos est√£o abandonados na sede do Polo Base, consumidos pelo mato. Um verdadeiro cemitério de veículos. Os indígenas est√£o sendo atendidos em baixo de √°rvores, de maneira improvisada em face do descaso da Funai e da Sesai", refor√ßou o deputado.

Essa inércia das autoridades competentes levou o Conselho Local de Saúde Indígena e membros do Conselho Distrital de Saúde a denunciar o descaso com a saúde dos povos indígenas e cobrar providencias administrativas e de responsabiliza√ß√£o da situa√ß√£o atual.

"Vale lembrar que esses Conselhos, juntamente com outras lideran√ßas, s√£o inst√Ęncias legítimas e legalmente constituídos para representar a popula√ß√£o", explicou o deputado.

O receio da comunidade, segundo o deputado Barbosinha, é de que o caos vivido em 2004 quando Dourados foi manchete internacional e refer√™ncia nacional negativa, em fun√ß√£o da desnutri√ß√£o infantil se repita. À época dezenas de famílias perderam seus entes queridos.


Por Assessoria.

Comunicar erro
Anuncie

Coment√°rios